Thursday, December 15, 2011

Você sabe o que fazer em Miami? Miamihoje.com sabe!

 Quantas vezes você leitor, de repente se reuniu com a família e disse...”vamos para Miami?”. A decisão foi tomada, checaram preços de hotel, passagem aérea da TAM ou American Airlines, aluguel de carro, ou até mesmo consultaram um amigo que mora na cidade.
Depois da logística acertada, vem outra pergunta...”o que vamos fazer em Miami?’. Bem, para ajudar à você solucionar esse problema, se assim podemos chamar, o problema de vir `a Miami, o empresário Cesar Barroso te dá a solução que se chama Miami Hoje.

O MiamiHoje.com é um portal destinado a brasileiros que vivem e que visitam Miami, com notícias diárias sobre a Cidade Mágica, informações turísticas e disponibilidade para responder qualquer pergunta sobre Miami.

Visionário e conhecedor de Miami, Cesar Barroso tem facilitado ao turista brasileiro que aqui vem pela primeira vez ou não, a se posicionar na cidade.

Para confirmar o trabalho desse querido brasileiro atuante na comunidade brasileira que já reside há muitos anos nos Estados Unidos, não deixe de visitar www.miamihoje.com 

Monday, December 12, 2011

Os americanos sabem votar?

Não queríamos misturar os assuntos…mas não tem como política andar sem o mundo empresarial. Simplesmente não conseguimos deixar passar…

Semanas atrás, a Revista Time publicou na sua coluna Briefing, não citando a fonte, que 55% dos americanos não sabem qual é a sigla do Partido dos Republicanos. Ou seja, não sabiam que GOP significa Grand Old Party.

Uma vez escutamos dizer que os brasileiros não sabiam votar…será que são só os brasileiros? Não existe uma possibilidade dos Estados Unidos ter chegado onde chegou porque os americanos não sabem em quem votam? Imaginem o que está vindo por aí...Sorry for that!...

Friday, December 2, 2011

Aluguei um carro nos Estados Unidos e bati. O que faço?

As férias de final de ano junto com as festas se aproximam. Os brasileiros se preparam para vir para Nova York, Miami,  para os parques de Orlando, ainda mais quando ficam na casa de parente sem gastar em hotel ou qualquer outra cidade americana.

Já que economizam uma tremenda grana, dólar baixo, alugam o sonhado carro que muitos não conseguem comprar no Brasil e saem dirigindo por esse tapete que são as estradas americanas.

Ficam encantado com a organização do transito, se distraem com as lojas, com a arquitetura das cidades, até mesmo com os outros carros que cruzam o seu caminho…até que sofrem um acidente ou batem em alguém. Bate o desespero mas o que fazer? Caso seja você que lê esse artigo, seguindo esses 10 passos muitos problemas serão evitados.

1)      Pare e nem pense em fugir!
2)      Havendo vítimas, caso consiga, tente ser o primeiro a chamar por socorro. Disque 911 mesmo sem falar inglês.
3)      Chame a polícia.
4)      Uma vez que a polícia chegue faça o boletim de ocorrência que é chamado police report.
5)      Avise a locadora de automóveis de imediato.
6)      Anote nome, endereço, telefone, chapa do carro de qualquer testemunha,  qualquer pessoa ou veículo envolvido no acidente.
7)      Nunca admita a culpa e nunca discuta ou comente o acidente com ninguém que não seja a polícia ou representante da locadora.
8)      Nunca discuta ou comente o acidente com qualquer curioso ou estranho que se aproximar ou na hora do acidente, ou no seu hotel, ou na casa onde está hospedado prometendo ajudá-lo.
9)      Nunca assine nenhuma declaração para ninguém a não ser sobre a orientação do seu advogado.
10)  Nunca autorize nenhum reparo sem uma avaliação oficial, sem cotação e autorização da outra parte.

Claro que cada caso é um caso; por isso é uma decisão sábia fazer o seguro quando se loca um veículo nas locadoras de automóveis americana. Ah...se o povo brasileiro soubesse o que acontece por aqui…

Thursday, November 24, 2011

Black Friday! O que tem haver com o pirão brasileiro?

Hoje a população americana começa a se posicionar estratégicamente para a largada de Black Friday. Os mais afoitos…diríamos até mesmo os que possuem mais tempo, para não classificarmos com outro adjetivos, começam a “acampar” nas portas das grandes lojas já na quarta-feira! Best Buy, Target, Macy’s para mencionar algumas. Opa, mas não é sexta-feira que as grandes liquidações começam nos Estados Unidos?

Sim e não. Sim no calendário oficial que o país tenta a seguir há anos. Não porque a crise e a internet mudaram e estão mudando tudo. A crise fez com que grande lojas formadoras de opinião antecipassem o horário. A internet fez com que os internautas fossem para os computadores e não para as lojas. Hoje às 10 da noite muitos websites já começam a vender.

Por exemplo, o tablete que já existe há quase 20 anos! Você sabia disso? E que milhões de dólares já foram gastos no passado para lançamento e tinha fracassado, voltou com força total quando a Apple lançou o Ipad com o legendário Steve Jobs.

Ano passado apesar de todo o barulho fabricado ou não pela mídia, o Ipad não passava de um produto que estava sendo descoberto e “especulado” pelo consumidor americano.

Durante o Thanksgiving e Natal do ano passado, praticamente a pergunta era: para que serve esse tablete? Hoje todos nós sabemos e estamos quase que dependents de Ipad e Iphone ou qualquer tipo de instrumento inteligente. Isto posto, os lojistas estão disputando o comprador de tablete de uma maneira acirrada, cada um querendo pular na frente do outro porque de um modo geral os preços são quase que tabelados.

O Associação Americana de Eletrônico (Consumer Electronics Association) diz que os americanos deverão gastar quase US$ 250.00 por pessoa em produtos eletrônicos nesse final de ano.

Até aí entendi tudo mas e o pirão? Onde entra no Black Friday?

Na antecipação das compras. O país está em crise e não pode negar. As lojas sejam virtuais ou não “bombam” na imprensa ou na net que irão abrir o mais cedo possível.

Como o crédito está apertado, os cartões de créditos já estão de olho na inadiplência, os lojistas esperam que antecipando os horários de compra, você com o seu dinheiro, com a sua farinha, gaste no pirão dele que é a loja. Farinha pouca, meu pirão primeiro! Entendeu?

Se você acha que não é assim, já tem muito lojista querendo abrir o Black Friday na quinta-feira. Ou seja, querem lançar o Black Thursday! Pelo visto, ficará black (positivo) para o lojista e red (negativo) para o consumidor.

Friday, October 21, 2011

Governador da Flórida chega ao Brasil.

O Governador da Flórida, Rick Scott, com uma delegação de quase 200 pessoas entre politicos, empresários e funcionários do governo, chegam no Brasil hoje para um semana de viagem de negócios.

Como sabido, o Brasil é o maior parceiro comercial da Flórida e a maior economia da América do Sul.

Segundo a Enterprise Florida que é o braço de desenvolvimento econômico do estado, a Flórida exportou em 2010 US$ 13.7 bilhões de dólares para o Brasil, sendo a maior concentração na área de Aviação, helicópteros, aviões, motores e peças.

O Governador Rick Scott irá primeiro ao Rio de Janeiro onde visitará o evento da ABAV que acontece no Rio Centro. Os brasileiros são considerados o segundo país que mais visita à Flórida depois dos ingleses. Do RJ, a comitiva seguirá para São Paulo onde passará maior parte do tempo. Já em SP haverá um café-da-manhã com o staff da Embaixada dos Estados Unidos, um evento de networking na AMCHAM e o Florida Trade Expo.

Curioso que pela força econômica brasileira no estado, hoje o Brasil é considerado a China para a Flórida pelo Enterprise Florida, que é o órgão estadual de desenvolvimento de negócios internacionais e trading.


Friday, October 14, 2011

BMA - Brazilian Marketing Annex tem “full house” na última terça-feira em Miami

 Nesse último dia 11 de outubro, o concorrido café-da-manhã do BMA - Brazilian Marketing Annex na cidade do Doral, esteve supr concorrido, com full house com a presença de dezenas de empresários e políticos locais. O BMA - Brazilian Marketing Annex é um "anexo" da Câmara de Comércio do Doral. Favor visitar www.doralchamber.com.       

O palestrante da vez, foi Bill Johnson, Diretor do Porto de Miami dentre outros funções que exerce no Condado de Miami Dade e ao redor dos Estados Unidos no segmento portuário.

Com bastante entusiasmo, o Bill Johnson falou sobre o impacto do comércio internacional na cidade de Miami e nos Estado da Flórida.

Contou a história da sua administração, suas viagens pelo mundo vendendo o Porto de Miami e como milhões de dólares em investimento, irão converter em bilhões de dólares e milhares de empregos diretos e indiretos. Como por exemplo, a construção do túnel de acesso ao porto e o calado de 15 metros que permitirá o acesso dos maiores cargueiros do mundo.


Hoje o Porto de Miami é líder no estado da Flórida e um dos de maiores movimentação de containers dos Estados Unidos. O Porto de Miami ainda tem mantido na administração de Bill Johnson a liderança mundial de passageiros de cruzeiro marítmo. 

É animador conhecer e ter a oportunidade de escutar pessoas, que ainda acreditam na força do trabalho e acreditam nos conceitos morais e de integridade para chegar a um resultado.

É animado conhecer pessoas que conseguem reverter a história deficitária de um grande empreendimento simplesmente tomando as decisões certas, não se incomodando com aqueles que não querem sair da zona de conforto e só querem “mamar na teta” do governo, seja local, estadual ou federal. Parabéns pelo exemplo Mr. Bill Johnson!

Fica a pergunta: porque os outros não fazem?

Thursday, October 13, 2011

Mr. Donald Trump compra Doral Resort na cidade do Doral na Flórida

Você pode até não gostar dele, de repente nem gosta do topete… mas não tem como negar, Mr. Trump é um mover and shaker. E por onde ele passa, cria um impacto econômico. Isso é um fato. 


Por US$ 170 milhões de dólares a Trump Organization que por ele é comandada, está comprando o Doral Resort & Spa que foi construido em 1962 em 650 acres de terra.

Hoje o Doral Resort & Spa abriga 5 campos de golfes com campeonatos nacionais e internacionais. O campo de golfe que carrega o nome do Tubarão Branco (White Shark) não entrou no negócio; e nele que é realizado o campeonato Blue Monster.

Mr. Trump com seu toque de Midas, prentende ainda investir US$ 150 milhões de dólares renovando os 693 quartos do resort que entrou em estado de falência no início de 2011.

Se você pensa em abrir uma empresa e/ou morar em Miami, considere a área do Doral que fica bem à oeste pertinho do aeroporto. É a melhor área para o comércio internacional no Sul da Flórida. Isso também é fato.

Com certeza a valorização imobiliária irá acontecer. E para nós que já moramos e empresariamos no Doral, só temos a dizer: Welcome Mr. Trump! 

Friday, October 7, 2011

Steve Jobs, o grande sonhador. Você sonha? Porque não? Siga seu instinto!

O mundo perdeu essa semana um dos maiores gênios que já existiu. Um homem que escreveu seu nome na história e mudou a maneira que todos nós escutamos música, falamos ao telefone, assistimos filme, operamos nosso computador, enfim, um homem que influenciou à todos que tem acesso a tecnologia. 

Steven Paul Jobs morreu aos 56 anos. A imprensa está escrevendo merecidamente muito sobre os seus feitos e conquistas. Decidimos escrever sobre o Steve Jobs o grande sonhador. 

Se checarmos a história inicial da Apple, na famosa garagem na Califórnia, iremos deparar com algumas histórias interessantes. Eram 3 amigos, um era o grande sonhador e os outros dois? O que aconteceu? 

Quando Steve Jobs juntou com um outro sonhador, menos que ele mas também muito sonhador chamado Steve Wozniak (na foto sentado), eles acharam necessário convidar alguém com mais experiência não só de vida mas também com experiência profissional.

Ron Wayne foi convidado para ser o terceiro na fundação da Apple Computers mas o mesmo achou o projeto muito revolucionário e vendeu os 10% das acões por US$ 2,300.00 duas semanas depois de iniciar a empresa. Hoje essas ações estariam valendo US$ 35 bilhões de dólares e Mr. Wayne, o experiente, já escutou essa história? Já escutou esse discurso?!... está amargando um final de vida não muito nobre.

Mas o que podemos aprender com tudo isso que Steve Jobs fez, passou e nos ensinou?

Você já parou para pensar a quantidade de críticas? A quantidade de não? A quantidade de obstáculos que o Steve Jobs teve que transpassar pelas suas idéias revolucionárias? A quantidade de sapos que teve que engolir por causa dos seus sonhos? Você teria coragem e perseverança nos seus sonhos? Think different, pensar diferente como ele fazia, não é fácil.

Sonhar é muito bom mas é muito arriscado. Você não agrada à todos quando sonha alto.

A bíblia mesmo relata no livro de Gênesis capitulo 37, na riquíssima história de José, que o que o colocou em muitos problemas, foi o grande sonho que teve. Foi traído pelos irmãos, foi repreendido pelo próprio pai Jacó por sonhar, e os outros quando o viam, diziam: Vêm lá o tal sonhador, como mencionado no versículo 19. Mas no final José saiu vencedor. Para os que não conhecem, vale a pena ler o texto.

Muitas das vezes sonhamos, visualizamos a jornada e conseguimos ver o destino final. Mas aqueles que nos cercam com críticas e opiniões contrárias não. E muitas das vezes não realizamos nossos sonhos por causa dos outros.

Assim como o Jobs, chega momentos na vida que temos que nos desvencilhar das amarras e seguir nosso curso de vida na visão que DEUS colocou no nosso coração. Na maioria das vezes a visão é exclusiva só para nós, e não para os outros, daí o conflito. E a experiência tem mostrado que nem todos tem que participar do seu sucesso!

Como grandes sonhadores que somos, ainda mais negociando grandes projetos entre Brasil e Estados Unidos, temos aprendido que nem todo mundo irá acompanhar seus projetos ou sonhos com você. Isso passa ser uma questão de escolha.
                                                              
Também temos aprendido que nem todo mundo deve acompanhar seus projetos ou sonhos com você. Isso passa ser uma questão de habilidade.

E o que mais nos compromete e nos faz doer mais ainda, é quando existem laços ou de amizade ou sanguíneo...aprendemos que nem todo mundo pode acompanhar seus projetos ou sonho com você. Uma questão de potencial.

Napoleon Hill que é tido como um dos pais da auta-ajuda, diz no seu best seller Think and Grow Rich, que o que a mente pode conceber e acreditar, a mente pode alcançar. É uma afirmação poderosa para qualquer um que almeja o sucesso.

Assim como otimismo e entusiasmos são vitais para qualquer negócio ou projeto de vida, sabemos que as grandes conquistas e realizações começam com grandes sonhos. E quanto mais perseveramos nos grandes sonhos, acreditando, mais atraimos as pessoas certas para esses sonhos. 

E na perseverança e preparo, uma famosa definição americana de sucesso se aplica e diz o seguinte: sucesso é quando preparo encontra oportunidade.

Finalizando, se você acredita no seu sonho, que nem dizia o saudoso Steven Paul Jobs que nos inspirou esse artigo, pergunte quem caminhar com você: porque não? E siga seu instinto finaliza ele. 



Em tempo, qurendo deixar uma mensagem para o Steve, dizendo o que ele representou para você, pode enviar para rememberingsteve@apple.com   

Sunday, September 11, 2011

Hoje é 11 de setembro. Escrever o que?

Hoje é 11 de setembro. Dez anos se passaram do maior atentado terrorista em solo americano. Não podemos negar, mas a América hoje acordou com um aperto no coração que palavras não conseguem explicar direito.

Foi uma data que marcou e mudou os Estados Unidos, e porque não dizer o mundo. Foi uma data que nos marcou tanto, que a pergunta não quer calar: onde você estava na hora do atentado do World Trade Center?

Ver ao vivo e a cores as duas torres gêmeas caírem no ensolarado céu da cidade de Nova York, foi um cena inimaginável que nenhum reality show na televisão jamais chegará perto.

Poderíamos escrever muitas coisas, mas acreditamos que o aprendizado é individual e de acordo com a experiência de vida de cada um. Caso queiramos aprender alguma coisa, a vida junto com seus acontecimentos, é uma sala de aula, onde nunca iremos ganhar um diploma e não existe o melhor aluno. Como temos aprendido desde a última vez que achavamos que sabíamos tudo!

A fragilidade da vida e a nossa falta de controle ficaram estampada nesse evento. Em um minuto a nossa vida, e a vida de uma nação podem mudar. Como por exemplo, às 8:44 da manhã, milhares de pessoas estavam se preparando para iniciar mais um dia normal de trabalho. `As 8:45 da manhã, essas vidas, uma nação e o mundo começaram a mudar o curso da sua história.
Uma das coisas que mudou muito forte dentro desse escritor, foi a maneira que hoje canto o hino nacional americano e a música America the Beautiful, publicado nesse blog há semanas atrás!

Deixaremos um website para você meditar, caso queira. O website é o www.archive.org/details/911/day . É um arquivo na internet com mais de 3.000 horas de video de mais de 20 canais de televisão americano e internacionais.

Confessamos que para escolher um video em homenagem aos civis e aos homens e mulheres em uniforme que se foram, tivemos dificuldade por que cada video é mais forte do que o outro.

Optamos pelo video que homenageia os 343 oficiais do Corpo de Bombeiro de Nova York, FDNY – Fire Department of New York. Clique no link e veja esse vídeo maravilhoso FDNY 343 Tribute no YouTube. http://youtu.be/Xwb5Ai7LN3c 

Thursday, September 1, 2011

Carta de Intenção ou Letter of Intent (LOI). O que é isso? Como proceder quando se negocia com os USA? Qual a relação que existe com sua lamentação?

Em uma definição bem simples e rápida, Carta de Intenção descreve detalhadamente a “intenção” de execução de uma corporação sobre a outra. Seja para a negociação de uma representação, distribuição ou qualquer outro tipo de aliança operacional entre as partes.



Como a Carta de Intenção de um modo geral é escrita com o auxílio da diretoria ou gerência junto com o Departamento Jurídico, quem apresenta à Carta de Intenção, não deve esquecer que quem recebe esse documento legal, da mesma maneira tende a discutir com a diretoria ou gerência, junto com seu Departamento Legal essa mesma Carta de Intenção.

 

E é sabido que quando advogados estão envolvidos, o diálogo muitas das vezes fica complicado; uma vez que os advogados defendem os interesses dos seus clientes. Um cabo de guerra digamos assim.

 

No Brasil muitos dizem que é exatamente assim que se faz um pré-contrato, ou seja, através de uma Carta de Intenção; e que as partes vão negociando seus interesses até chegarem a um acordo, até chegarem a um consenso.

 

A pergunta que fazemos à você leitor é a seguinte: Dará tempo e condição de chegarem à um consenso uma vez que as “intenções” já foram demonstradas?

 

Acontece que com a nossa experiência de anos negociando com o Brasil, temos vistos que muitos interessados brasileiros que apresentam Carta de Intenção à fábricas/representadas americanas, apresentam um documento que não deixa nenhuma dúvida que foi escrito por quem não tem conhecimento de comércio internacional. Ou se ainda tem, acredita em Papai Noel e também acredita que uma Carta de Intenção com as intenções “questionáveis” não compromete uma negociação! Cuidado com que te falar o contrário.

 

Se você perder o negócio, você perdeu o negócio, não quem disse que não tem problema e que você está categoricamente correto! Você que vai ficar chupando dedo, lamentando a perda de um negócio que poderia ter sido o grande negócio da sua vida.

 

Quantos de nós.. sofre, já sofreu ou conhece alguém que sofre consequências desastrosas por orientação errada de “profissionais”…seja lá qual for a especialidade do “Dr. Cheio de Título”? Nós mesmos somos vítimas de várias situações!

 

Muitas Cartas de Intenção nos parece que são mero “templates”, abaixadas da internet, achando que um modelo serve para todo os tipos de negociação. Isso é um dos maiores erros que uma empresa brasileira pode cometer quando negociando com empresas nos Estados Unidos.

 

O interessado que apresenta a Carta de Intenção, não pode esquecer como mencionado no primeiro parágrafo, que esse documento relata de maneira de-ta-lha-da a intenção.

 

Se já nessa Carta de Intenção o interessado demonstra a intenção de “arrebentar” com a outra parte já logo no ínicio, não querendo se comprometer com investimentos, quantidades a ser comprada do produto negociado, prazo para essas compras, as chances são que já na Carta de Intenção, a parte americana cesse toda e qualquer tentativa de negociação.

 

Como sabemos disso? Well…conhecemos o mercado Brasil x Estados Unidos há muitos anos. Para lembrar você leitor, existe um problema cultural nesse documento. Cabe à você acreditar ou não no que acabou de ler.

 

Concluindo, a bíblia nos ensina que a boca só fala daquilo que o coração está cheio (Lucas 6:45), o que podemos dizer de uma Carta de Intenção?

Tuesday, August 30, 2011

Investir em imóvel nos USA com desastre natural. É um bom negócio?


 Recentemente temos lido que os brasileiros estão investindo de uma maneira “empolgada” na compra de imóveis nos Estados Unidos. Acontece que muitos compram nessa “empolgação” e com o passar do tempo, começam a experimentar os problemas que qualquer imóvel apresenta junto com um grande diferencial que não se apresenta no Brasil: desastre natural.

Vamos esquecer os desafios junto ao Imposto de Renda e a lei da hereditariedade. Mas caso você tenha comprado um imóvel aqui nos States, estaria você protegido contra os desastres naturais?

Digamos no caso de uma grande tempestade, se a água vem por cima você está protegido? Ou se vier por baixo como rio transbordando, mar invadindo as ruas…você estaria protegido? Complicou? Você ainda não viu nada….

É dito que dois palmos de água dentro da sua casa pode no mínimo causar US$ 50 mil dólares.

Agora e perguntamos: quanto vale o imóvel que vc comprou?

Um bom website para você se posicionar é o http://www.floodsmart.gov/. Você terá dicas muitíssimo interessante de como se comportar. 

E o furacão? E o terremoto? Você que comprou imóvel aqui nos States ou considera investir, já pensou nisso?

Dentro do que temos lido, pesquisado, participado de seminários, estamos chegando a conclusão no que se trata de propriedade, o melhor investimento apesar de menor rentabilidade, dependendo da localização, é o terreno.

Investindo em terreno, você não terá problema de enchente (flood), furacão, terremoto, nevasca, incêndio…ou qualquer outra ameaça de desastre natural. E o pior de tudo isso, é lidar com as companhias de seguro que no final não querem te pagar porque foi ato de DEUS!

Alguém pode nos explicar como é isso de uma grande corporação Americana se agarrar em DEUS para não te pagar quando você não pode falar de DEUS dentro da mesma corporação?

Monday, August 22, 2011

Deficit & Dívida Pública Americana - mitos, fatos e desafios

Os fatos e mitos – Há pouco mais de dois meses, o presidente norte-americano se deu conta de que ele dependia do Congresso para obter a aprovação do aumento do teto da dívida. E Imaginou que conseguiria aprovar este aumento de forma simples, pois este fato não é novo.

Desde 1919, o aumento do limite da dívida pública depende da aprovação do Congresso e estas autorizações têm sido feitas com maior ou menor dificuldade, constituindo-se um fato normal da vida política e econômica do país.

Desde quando foi criado este teto ele já foi aumentado 102 vezes, das quais, 10 vezes apenas na ultima década, o que corresponde a cerca de 10% dos aumentos autorizados.

Nunca, porém, na história, um presidente aumentou o déficit público em 25% em apenas dois anos de mandato.

Neste ano, a dívida pública deve saltar dos U$11,9 trilhões de 2008, para U$15,2 trilhões, ou seja, passará de 84,6% do PIB, para algo superior a 100% do mesmo.

Segundo o “Escritório Orçamentário do Congresso”, organismo não ligado a nenhum dos partidos, em um cenário provável de escolhas de política econômica, a dívida pública federal norte-americano chegará a quase 190% do PIB até 2035.

Mais assustador ainda, segundo o economista-chefe da Austin Rating, Alex Agostini, a dívida tem chances de chegar a US$ 19,7 trilhões, ultrapassando em 9,4% o PIB americano, em 2019.

Só para termos uma idéia do que esta divida representa, ela é igual ao PIB das 166 nações menos desenvolvidas do planeta e corresponde à quarta parte de toda produção econômica mundial de 2010, que foi de U$62 trilhões.

Hoje os EUA emprestam 40% do que gastam! O risco do calote é tão inverossímil quanto a possibilidade de o problema ser apenas a questão do teto da dívida.

O Porquê – O lobby dos funcionários públicos, a demagogia de políticos e outras mazelas levaram a maior economia do planeta a uma situação que exige decisões heróicas.

Aqui têm sido criados subsídios e ajudas que nem a população se dá conta que possam existir. Telefones celulares, aluguéis residenciais, vale-refeição, transporte escolar para crianças, remédios e dezenas de outras vantagens são oferecidas às classes menos favorecidas, minorias, mães solteiras, desempregados em programas assistenciais do governo.

Os funcionários públicos têm atingido salários médios superiores aos do setor privado, com menos horas de trabalho e muito maior número de benefícios.

Os gastos militares, que foram reduzidos após Reagan ter vencido a Guerra Fria, cresceram novamente de forma exponencial, pois os serviços de inteligência foram desmontados no Governo Clinton e o terror se fortaleceu e foi capaz de atingir os EUA dentro de seu território.

Os trilhões de dólares gastos e investidos pelo atual presidente, encheram as burras dos bancos e dos empresários mal sucedidos, mas não criaram riqueza nem emprego.

O crescimento do PIB segue pífio, o emprego até aumentou durante seu mandato, mas o problema ainda está longe de ser resolvido.

Os desafios – Para voltar a uma situação de crescimento sustentável precisa haver um corte de no mínimo U$4 trilhões nos próximos dez anos no déficit.

Para se chegar a este valor haverá necessidade de se provocar um corte substancial nas despesas, além de um aumento considerável nos impostos.

E ai começa a questão: O Presidente fez aparições publicas pedindo solução, como se não fosse parte do problema e, em nenhum momento, apresentou qualquer plano de cortes de despesas.

Os republicanos detendo a maioria da Câmara, querem fazer valer o seu poder, pleiteando e defendendo cortes de despesas, sem aumento de impostos.

Apresentaram a aprovaram uma lei, que tornava obrigatório o equilíbrio fiscal, determinava cortes e liberava a questão do teto do endividamento.

A proposta foi rejeitada no Senado, pela maioria democrata, sem se colocar sequer o assunto em debate, para evitar chamar a atenção do público para uma oferta concreta de solução.

Os democratas, temem perder seus currais eleitorais com o fim ou ou o corte de alguns programas de assistência social, e se somaram à voz do presidente Barack Obama, ameaçando com calote o pagamento das dívidas e a suspensão dos pagamentos a pensionistas, inválidos e soldados.

O fato é que o presidente tinha e tem poderes constitucionais especiais para solucionar a questão do teto, mas quer e precisa usar aumentar seu capital político para enfrentar o desafio da reeleição do próximo ano.

Na verdade a questão se situa em três segmentos:
  • Ideológica: Livre iniciativa ou governo grande;
  • Política: Eleições presidenciais de 2012;
  • Liderança: Não há solução econômica simples, os EUA necessitam da fé dos americanos de que seus líderes encontraram a solução correta e eficaz e vão implementá-la.
Os republicanos estão fazendo a lição de casa nos estados que estão governando, realizando cortes nas despesas, diminuição das benesses aos funcionários públicos e promovendo a geração e expansão de empregos, provando que há solução real, concreta e plausível dentro da ideologia que defendem.

Já os democratas têm a seu favor o apoio da mídia.

Muita água vai ainda rolar sob as pontes do rio Potomac, antes de termos um visão clara do futuro americano, estejam certos!

Artigo escrito por Carlo Barbieri 
International Consulting
Email para contato: Barbieri@Oxfordusa.com

Friday, August 12, 2011

BMA - Brazilian Marketing Annex tem “full house” na última terça-feira em Miami

 Nesse último dia 9 de agosto, o concorrido café-da-manhã do BMA- Brazilian Marketing Annex na cidade do Doral, esteve super concorrido com a presença de dezenas de empresários e políticos locais. O Brazilian Marketing Annex é um "anexo" da Câmara de Comércio do Doral (http://www.doralchamber.com/)

O palestrante da vez, foi o Jerry Libbin, vereador da cidade de Miami Beach, e presidente da Câmara de Comércio de Miami Beach. O evento foi patrocinado pelo U.S Century Bank, que gentilmente cedeu a cobertura da sua sede que também é na cidade do Doral.

Com bastante entusiasmo, o Sr. Libbin falou sobre o impacto do turista brasileiro e do empresariado brasileiro no Condado de Miami-Dade.

Tendo já comemorado seu primeiro ano de vida, o BMA – Brazilian Marketing Annex está escrevendo seu nome cenário de comércio internacional para todo aquele que pensa em fazer negócios com a comunidade brasileira no Sul da Flórida ou com o Brasil.

Wednesday, August 3, 2011

America ainda é bonita! America the beautiful

Os politicos americanos votaram no dia de ontem, de repente, uma das mais importantes votações da história dos Estados Unidos que foi o aumento do teto da dívida americana, sancionada ontem mesmo pelo Presidente Obama.

A sinceridade do coração dos que votaram é questionada. Eles votaram para o partido ou para as gerações por vir?

Eles podem dizer com sinceridade que eles amam mais o país do que eles mesmos como diz o hino? Who more than self their country loved.

Sabemos como a maioria dos políticos se comportam. Temos aprendido que só muda a língua. A história vai dizer como já diz os que igualmente votaram no passado e comprometeram indevidamente essa grande nação.

Seja lá o que fazem e querem fazer com esse país, América “ainda” é América e “ainda” é bonita. E assim continuará!

Para os que apreciam e respeitam a América, deixamos esse hino America the Beautiful, que para mim fala tanto quanto o hino nacional Star Spangled Banner.

America the beautiful com essa letra maravilhosa, foi escrito por Katharine Lee Bates, e melodia de Samuel Ward. E para você desfrutrar uma interpretação inegualável do saudoso Ray Charles.

America the Beautiful


O beautiful for spacious skies,
For amber waves of grain,
For purple mountain majesties
Above the fruited plain!
America! America!
God shed his grace on thee
And crown thy good with brotherhood
From sea to shining sea!

O beautiful for pilgrim feet
Whose stern impassioned stress
A thoroughfare of freedom beat
Across the wilderness!
America! America!
God mend thine every flaw,
Confirm thy soul in self-control,
Thy liberty in law!

O beautiful for heroes proved
In liberating strife.
Who more than self their country loved
And mercy more than life!
America! America!
May God thy gold refine
Till all success be nobleness
And every gain divine!

O beautiful for patriot dream
That sees beyond the years
Thine alabaster cities gleam
Undimmed by human tears!
America! America!
God shed his grace on thee
And crown thy good with brotherhood
From sea to shining sea!

O beautiful for halcyon skies,
For amber waves of grain,
For purple mountain majesties
Above the enameled plain!
America! America!
God shed his grace on thee
Till souls wax fair as earth and air
And music-hearted sea!

O beautiful for pilgrims feet,
Whose stem impassioned stress
A thoroughfare for freedom beat
Across the wilderness!
America! America!
God shed his grace on thee
Till paths be wrought through
wilds of thought
By pilgrim foot and knee!

O beautiful for glory-tale
Of liberating strife
When once and twice,
for man's avail
Men lavished precious life!
America! America!
God shed his grace on thee
Till selfish gain no longer stain
The banner of the free!

O beautiful for patriot dream
That sees beyond the years
Thine alabaster cities gleam
Undimmed by human tears!
America! America!
God shed his grace on thee
Till nobler men keep once again
Thy whiter jubilee!

Ladys and gentlemen, Mr. Ray Charles...

Friday, July 29, 2011

Apple Computer com mais dinheiro do que o governo americano?

Conforme noticiado na imprensa americana, a Apple do legendário e quase inigualável Steve Jobs apresentou ao mundo em seu balanço em Junho US$ 76.2 bilhões dólares em cash. Wow!

Não precisamos dizer que os IPhones, IPads, ITouch, IMacs contribuiram para reescrever a história da empresa, jogando as ações para US$ 400.00 cada!

Enquanto isso o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos essa semana de julho apresentava US$ 73.8 bilhões de dólares.

A grande e única diferença desse volume de dinheiro é que o governo americano, está imprensado com os compromissos ameaçando a maior crise desse país que irá ameaçar a economia mundial; e a Apple se dando o luxo de pensar onde gastar…se quiser gastar.

Hoje saber que existe uma empresa mesmo sendo americana que nem a Apple ter mais dinheiro do que os Estados Unidos, é uma situação inimaginável. Mas com certeza poderemos aprender alguma boa lição nisso tudo.

Mesmo com toda essa reserva e cash flow, a história conta que Mr. Jobs é muito cauteloso nos gastos, com quem o cerca e investidas de sua empresa.

É uma pena que não vemos isso em Washington, nem em Brasília, nem em outos centros do poder mundial! Com certeza não podemos ver nem veremos porque o dinheiro não é dos políticos. Deve ser uma sensação agradabilíssima poder gastar o dinheiro dos outros sem se responsabilizar e ser punido.  

Friday, July 22, 2011

Pro Forma Invoice é coisa muito séria aqui nos Estados Unidos! Mas o que é isso?

Nesses 20 anos fazendo negócios com o Brasil chega a ser assustador a falta de entendimento que muitos brasileiros possuem em relação a um documento de exportação chamado Pro Forma Invoice.

Ou entendem, mas não acreditam que a repercussão negativa quando não honram uma Pro Forma Invoice pode ser devastadora, ainda mais se for produtos de valor alto.

Não honrar uma Pro Forma Invoice causa situações delicadíssimas; podendo até mesmo ter processo  aberto pelo exportador devido a frustação da expectativa de vendas. Ou seja, um prejuízo e um stress para todas as partes envolvidas. Ah se o Brasil pudesse saber quem já foi processado aqui nos States...

Não saberíamos mensurar a quantidade de vezes, isso o que sabemos, nem contabilizamos o que não sabemos, mas a quantidade de vezes que o importador brasileiro pede uma Pro Forma Invoice e não honra.

Mas o que é uma Proforma Invoice?

Antes de responder o que é, iremos responder o que com certeza não é. Pro Forma Invoice não é cotação e não é brincadeira. Pro Forma Invoice aqui nos Estados Unidos é levado muitíssimo a sério.

Para você leitor que nunca viu esse termo, em resumo, é como se fosse uma Pré Nota Fiscal, uma Pré Fatura Final. A Pro Forma Invoice é como um documento que é apresentado para iniciar todo processo burocrático porque o comprador já aceitou as regras do jogo e já se comprometeu. Diríamos que ele "já assinou" o contrato. Quando a mercadoria embarca, a Pro Forma Invoice é trocada pela Commercial Invoice, que diríamos é a Nota Fiscal ou Fatura definitiva. Visualmente é idêntica. A única diferença é o título e geralmente algumas pequena instruções devido à alfandêga do país de destino.

A gravidade do desdém de vários importadores brasileiros, é que o teor jurídico de uma Pro Forma Invoice, é como se fosse um contrato em as duas partes, exportador e importador, onde o importador diz que concorda com os termos  apresentado pelo exportador americano. O negócio já foi “selado”, e o exportador americano espera o pagamento conforme acordado. Simples!

Nosso conselho à aqueles que pensam em um dia pedir uma Pro Forma Invoice.

Se por acaso você é importador brasileiro, e passa na sua cabeça pedir uma Pro Forma Invoice ao seu exportador, se tem dúvidas que irá honrar…nem ouse pedir tal documento para não manchar a relação comercial e causar um prejuízo desastroso!

Depois de tudo que você leu, deixamos duas perguntas para finalizar:

Como você acha que um americano adjetiva a empresa que não honra um contrato?
Como você chama ou classifica uma empresa que não honra um contrato?

Friday, July 15, 2011

Qual a dívida dos Estados Unidos? Dona Maria tem a solução!

 Se você nunca clicou nesse site, www.usdebtclock.org vale a pena porque você vai saber o quanto os Estados Unidos esta devendo por segundo e estará devendo não tomando as devidas medidas.

Anote o valor que aparece no lado esquerdo bem no topo no campo US PUBLIC DEBT SUBJECT TO LIMIT, depois  de acabar de ler esse texto, volte ao “relógio”…é assustador.

A máxima quando você deve pouco você tem um problema, não se aplica hoje com a crise financeira americana. Mas a máxima quando você deve muito, quem tem problema é o credor.

O mundo acompanha o que fazer? Imaginamos que muitos “entendidos” estão presentes nessas reuniões. Assim como imaginamos que muitos “entendidos” estavam presentes nas reuniões anteriores e levaram o país a essa situação caótica e incontrolável.

Acredito que se chamarmos a Dona Maria que não entende de política nem de economia, muito menos de compromisso partidário, ela com certeza em cima da sua experiência e praticidade doméstica.irá solucionar o problema americano. Wow!

O país até agosto tem uma receita de US$ 172.4 bilhões de dólares e tem que pagar US$ 306.7 bilhões de dólares, tem um deficit de…ou melhor, está falatando US$ 134.3 bilhões de dólares. Sorry…Dona Maria não entende a palavra deficit!

Dona Maria na sua simplicidade se preocupa com a aposentadoria dela, a saúde, o futuro dos filhos e dos netos. Esse é o mundo dela…e tem muita dificuldade de entender “acordo partidário”, afinal os acordos anteriores levaram a Dona Maria à essa situação; tem dificuldade de entender “recomendação de redução de despesa”, “recomendação para eliminação de desperdício”. Não é melhor fazer do que recomendar? Recomendar depende da boa vontade…

Na caderneta que Dona Maria anota seu orçamento doméstico à lápis, a matemática é bem simples e ela ensina aos filhos.

  • Não gastar mais do que ganha.
  • Eliminar todos os desperdícios.
  • Aprender a dizer não aos impulsos.
  • Não fazer acordo com os aproveitadores.
  • E principalmente ter muito cuidado com as promessas  políticas!

Acho que Dona Maria está com a razão...

Monday, July 4, 2011

Hoje é 4 de julho…o que significa para você?

É uma pena que muitos imigrantes aqui nos Estados Unidos não respeitam essa data que possui um significado tão importante.

Não conseguem entender o que aconteceu no dia 4 de julho de 1776. Não conseguem entender a dimensão da Declaração da Independência escrita por Thomas Jefferson. Só associam essa data à churrasco e passeio no parque.

Muitos vem para cá, e não são poucos, desrespeitam a sociedade, o governo, o sistema e principalmente aqueles que morreram , morrem e ficam aleijados e/ou desfigurados definitivamente para fazer desse país uma grande nação, esnobando assim a liberdade que foi e tem sido conquistada com tanto sacrifício.

Aqui aprendemos que liberdade tem um preço imensurável. Eu mesmo como imigrante quando logo entendi isso há 20 anos atrás, passei a ter maior respeito por qualquer uniforme militar...e não tenho como expressar a minha gratidão à esses heróis.

Do jeito que as coisas vão, não temos melhor coisa a fazer do que respeitar e orar não só pelos Estados Unidos mas por todas as nações. God bless America!

Em homenagem a esse dia, veja esse emocionante video da música PRAY, escrita e composta por Mary Alessi, que com muito orgulho digo ser minha Pastora.

Tuesday, June 28, 2011

Imóveis nos USA x Imóveis no Brasil

Semana passada lemos uma matéria em um conceituado veículo brasileiro, dizendo que os “milionários” brasileiros, “grandes investidores” brasileiros, estão fazendo a alegria dos corretores de imóveis de Miami. Na mesma matéria dizia que nesse ano de 2011, mais de 50% dos imóveis de mais de US$ 1 milhão de dólares, tinham sido vendidos para brasileiros.

Curioso que na mesma semana, lemos que “milionários” americanos, “grandes investidores” americanos estão fazendo a alegria dos corretores brasileiros em várias parte do Brasil, ainda mais nos Estados onde haverá a Copa do Mundo.

Perguntamos:

Entendemos que devemos dividir riscos…mas quem está com a razão? Qual o melhor lugar para investir em imóveis? Aqui nos Estados Unidos ou no Brasil?

Uma coisa é certa, a maioria dos brasileiros que compram imóvel aqui não sabe, não tem a minima idéia sobre o percentual de lucro que terão que pagar como estrangeiro (capital gain) quando venderem o imóvel; e principalmente o que acontecerá com os herdeiros, caso venha falecer!

Não custa nada a fazer o dever de casa, esgotando todas as possibilidades…se você está pensando em adquirir um imóvel nos States.

Thursday, May 19, 2011

Mas eu sou representante exclusivo dessa marca de helicóptero no Brasil! I am sorry…mas a fábrica americana não te reconhece como nada…

No dia 2 de maio passado, publicamos nesse blog uma matéria que para variar deu uma certa polêmica. Não podemos negar, já estamos acostumados a isso!

Mencionamos que vários empresários no Brasil se apresentam como empresários nos Estados Unidos; quando na verdade não são, nunca foram, e pela postura nunca serão! Vale a pena ler a matéria logo abaixo.

Invertendo o mercado, curioso que nós Moriah International, Inc, representante exclusivo para todo o Brasil do helicóptero Rotorway A600 Talon fabricado pela Rotorway International, estamos enfrentando problemas parecidos só que no Brasil. Wow!

Tem chegado aos nossos ouvidos que tem gente, grupo empresarial, grupo de investidor…seja lá como você queira chamar, em algumas regiões se apresentando como representante exclusivo da marca para todo o Brasil, inclusive tentando assinar contrato no nome da Moriah International e/ou nome da Rotorway! É dito que quando você é copiado e/ou imitado, ou até mesmo muito criticado é porque você é sucesso.

Podemos afirmar que nos causou e causa bastante constrangimento. Estamos analisando e nos certificando onde é o foco, onde é o ponto zero dessa manobra, e tomaremos as medidas legais cabíveis quando tivermos a certeza.

Inclusive já estamos analisando a possibilidade de uma carta-aberta ao mercado brasileiro, uma vez que blog nem todos acessam. São decisões difíceis, mas não podemos negar, uma experiência nova para nós.

Temos sido contatados porque a postura de quem tem se apresentado colidi com a nossa filosofia de trabalho, empresarial, comercial e moral; que é bem explícita e documentada nos nosso blogs, seminários, entrevistas e emails trocados com o mercado ao longo dos anos.

Mas porque estamos escrevendo sobre esse tópico?

Porque também já escutamos várias vezes sobre essa postura enganosa ao longo desses anos, só que agora aconteceu conosco devido a relevância da marca Rotorway no mundo e do potencial do mercado de helicóptero no Brasil.

Na próxima vez que você estiver negociando com alguém que se apresentar como representante exclusivo de qualquer marca, seja americana ou não, com todos os direitos e poderes, abra o olho! Se teu sexto sentido falar alto, te incomodar, não avance! Faça como os que nos ligaram e confira de perto!

De um modo geral como qualquer contrato padrão de representação, e é assim no mundo todo, a pessoa do representante sempre terá uma autonomia limitada pela representada. A maioria dos contratos nem uso de marca autorizam quanto mais grandes decisões.

No tocante a nomear outro representante, buscar investimentos, decisões de grande escopo que envolvem mudanças radicais na marca no mercado onde atua, nunca vimos nesses 20 anos negociando e analisando contratos de representação e/ou distribuição dos mais diversos, uma cláusula dando plenos poderes aos representantes. Se você acredita em Papail Noel…é outra história.

Faça seu dever de casa. Pergunte bastante, Faça uma busca no Google, confira no mercado, ligue para a fábrica e se certifique de que a pessoa que você está negociando não é um impostor…ou em outras palavras, podemos chamar de estelionatário?