Monday, November 30, 2009

Woops! Tinhamos esquecido do Cyber Monday!

Black Friday e Cyber Monday? Qual a diferença?

Se você respondeu 48 horas ou um final de semana, você acertou. No fundo, é praticamente a mesma coisa...os lojistas querem tomar nosso dinheiro.

Aprendemos aqui nos Estados Unidos, que compramos qualquer coisa, quando não conseguimos mais falar não para a tentação...quando não mais resistimos...o marketing é agressivo demais...

Os lojistas pensam o seguinte, se você escapou de mim na sexta-feira, pego você na segunda-feira.

Só para posicionar, uma empresa que acompanha tráfego de website, registrou por um bom período de tempo 4 milhões de compradores por minuto no dia de hoje.

WalMart como sempre com sua postura predadora, oferecendo centenas de ítems. Office Depot, Best Buy, Barnes & Noble, oferecendo mil vantagens.

São compradores que estão buscando barganhas, custe o que custar...buscam frete gratuito, descontos especiais, gift-certificate, enfim, qualquer coisa para saciar o desejo quase que impulsivo de compra e o arrependimento de muitas vezes não ter comprado na sexta-feira...no Black Friday.

Mas alguém falou na crise e no desemprego na América?

Friday, November 27, 2009

Como aproveitar o Black Friday americano morando no Brasil?


Hoje é Black Friday aqui nos Estados Unidos. Para aqueles que não sabem, é o toda sexta-feira após o dia de Ação de Graças, Thanksgiving, nos Estados Unidos.

Thanksgiving é toda última quinta-feira de novembro. Como muitos “emendam” a sexta-feira; acreditamos que importaram essa tradição do Brasil, passa a ser o maior feriadão do ano na terra do consumo.

Acontece que pela crise, a taxa de desemprego batendo dois dígitos, aumento da população e hoje a internet competindo com as lojas físicas, o período de compra têm sido cada vez mais antecipado.

O que começava às 6 da matina de sexta-feira, foi antecipado para às 5...3 da matina, e até mesmo para meia-noite! Muitas lojas para pegar o consumidor com o bolso ainda cheio, já estão abrindo na própria quinta-feira às 6 da tarde. A máxima... a farinha pouca meio pirão primeiro, prevalece...

Vários websites, já começaram a antecipar as compras para antes da meia-noite, para evitar o crash no sistema como já aconteceu em anos anteriores.

Hoje você já vê aí no Brasil pela televisão ou internet, as longas filas do lado de fora das grandes lojas. Você vê multidões...literalmente dormindo, acampando desde o dia anterior, comendo no prato, não sanduba, revesando com amigos e familiares!...enfim, fazendo de tudo para serem os primeiros nas portas de lojas como Best Buy, Macy’s, Target, Sport Authority, Wal-Mart, CompUSA, ou qualquer outra grande loja.

Mas e você que está aí no Brasil, como fazer para aproveitar essas promoções do Black Friday?

Se você está lendo essa matéria, a chance é que você conhece alguém que mora aqui nos Estados Unidos. Isto posto, a maneira mais rápida e segura para desfrutar dessa loucura chamada Black Friday.

1) Abrir uma conta no PayPal (http://www.paypal.com/) para pagamento, porque muitos websites e websites de lojas famosas não aceitam cartão de crédito internacional.
2) Ter um endereço de entrega nos Estados Unidos.

3) Se registrar nos websites de preferência para acompanhar as notícias e políticas comerciais para o Black Friday.

4) Ter uma boa conexão de internet e ficar preparado para a largada quando chegar a hora.

Quando der início as compras no website, pela defasagem do fuso, com certeza será 3 horas da manhã no Brasil, horário de Brasília, se você comprar na costa leste americana, e 6 da manhã no Brasil, se você comprar na costa oeste americana.

Se você quer barganhas, você pode conseguir, mas não se iluda, os estoque em promoção, sempre têm uma quantidade limitada. As lojas não são caridades, e sim empresas que buscam lucros. Elas sabem que quando você senta no computador ou vão as lojas, você já têm o produto X em mente... você já está decidido a comprar... só não sabe quando.

Isto posto, se você não o encontra com o preço de desconto, você irá pagar o preço regular porque você na maioria das vezes, já decidiu, já está no clima... e não quer se frustrar...não quer ficar com a mão vazia! Estudos mostram que os lojistas já sabem disso...

Friday, November 20, 2009

Mas esse carro é tão barato...será?


Você chegou nos Estados Unidos. Veio transferido ou veio tentar a sorte como uma grande maioria.

Assim que chegou, caso você não tenha escolhido uma das pouquíssimas cidades com metro que nem NY, constatou que quase não existe transporte urbano. Logo confirmou que carro é parte da vida do americano. A máxima que diz que ninguém faz nada aqui sem carro...ou aqui se faz tudo de carro...passa ser uma realidade na sua vida. Até casar dentro do carro, você consegue em um
drive-thru em Las Vegas! Pasme você!

Você sabe quanto custa o carro no Brasil. Abre o jornal e vê as ofertas das concessionárias. Sem entrada, pouca entrada...quase que aceitando o carne do baú-da-felicidade como forma de pagamento.

Você vê prestações a US$ 99.00, US$ 199.00, US$ 299.00, US$ 399.00...você vê promoção atentadoras dos carros que sonhou e nunca teve no Brasil.

Você vai na concessionária, acreditando que irá conseguir aqueles preços divulgados nos jornais, nos rádios e/ou televisão. Você chega na concessionária e te dão um chá-de-espera indecente e proposital de 3 horas...tudo parte de um jogo emocional para confundir e te deixar emocionalmente fraco. Acredite que é verdade!
Inclusive nunca vá perto da hora do almoço, porque as chances são que irão almoçar, te deixarào esperando...e deixarão a fome lutar com você para te vencer. Com pressa, você assina qualquer coisa e na maioria das vezes sem lê!

Se você chegou agora nos States, você ainda não têm crédito. Isto posto, você irá pagar para entrar no sistema e os juros a ser pago será altíssimo. Mas o que fazer, pergunta você?

Se sua vaidade permite, compre um carro usado de 2, 3 anos ou até mesmo 5 anos, onde já depreciou, ainda está muito novo e que irá fazer a sua base de cálculo menor; consequentemente seu desembolso será menor. Dois excelentes sites de carros usados são http://www.autotrader.com/ e http://www.craiglist.com/ . E para pesquisar sobre carros http://www.edmunds.com/

Quando você tiver de 6 à 12 mêses de histórico creditício, tiver seu Social Security Number (o cobiçado!), aí sim você pode começar a pensar em desfrutrar dessas promoções.

Mesmo assim, quando você compra um carro com esses apelos comerciais, os prazos são de 24 à 60 mêses em geral. Onde você estará daqui a 2,3 ou 5 anos, se você ainda não se estabeleceu definitivamente nos States?

O que têm de gente que compra o carro empolgado com as “baixas” prestações, mêses depois os planos mudam, e acabam voltando para o Brasil...é brin-ca-dei-ra.

Acontece que repassar as prestações dos carros é arriscado e muitos brasileiros assim o fazem. Muitos voltam para o Brasil e repassam os carros para os “amigos”.

Os “amigos” os usam até o bagaço, sem nenhuma revisão, cuidado ou manutenção; e muitos como sabem que o dono não vai voltar mais, conhecendo as falhas do sistema americano, usam o carro até onde podem sem pagar nenhuma prestação quando as coisas apertam. Isto quando não se envolvem em acidentes sérios, e o dono do carro ainda têm uma responsabilidade civil em cima do bem porque ainda carrega o nome dele.


Outros mais “amigo”, usam o carro até onde interessam e o abandonam na concessionária da marca. Ou então, o usam sem pagar a prestação acordada até serem rebocados pelo chamado repo man, que são os rebocadores que trabalham para as financeiras.

Você com um carro quitado que pagou em poucos meses, mesmo que decida voltar, existem vários lugares que você entrega e negocia a quitação do carro. O http://www.carmax.com/ é um bom lugar, mesmo perdendo dinheiro, tendo que voltar um pouco de dinheiro, dependendo do cenário, você já sabe quanto perdeu.

Aprenda o que já aconteceu e acontece com milhares de imigrantes, não só os brasileiros... e segure sua emoção... segure sua vontade. Você pode até dizer, eu tenho dinheiro e não preciso esquentar.

Não iremos adjetivar para manter nossa linha e educação, mas pergunte a quem conhece aqui nos Estados Unidos, como se chama aquele estrangeiro que aqui chega, compra o carro à vista ou dá uma entrada muitíssimo alta para ter um carro zero.

Wednesday, November 4, 2009

Se me candidatasse a presidência dos USA - Publicado em novembro de 2008


Essa semana os Estados Unidos comemoram um ano da eleição que elegeu o primeiro candidato afro-descendente a presidência dos Estados Unidos. Um ano atrás publicamos essa matéria que teve grande repercussão; e causou uma certa polêmica. Porque será? Aos que acompanham os noticiários, confirmarão que existe muita verdade no escrito e que lamentávelmente o teor da matéria nunca irá envelhecer. É triste mas é uma realidade...


Segue matéria na íntegra:

Com certeza você leitor, imaginou que pelo título do artigo, iria descrever um plano de governo...mas não é o caso.

Se me canditasse a presidência dos USA com certeza estaria preocupado com o legado que poderia deixar para as gerações por vir. Como a história iria falar de mim?...

Se me canditasse a presidência dos USA estaria muito confuso de confiar nas “grandes” empresas de opinião pública, uma vez que a disparidade percentual, é tremenda. Qual a empresa está certa, se todas elas se apresentam como as mais confiáveis?

Se me canditasse a presidência dos USA ficaria confuso, se o eleitor saberia preencher bem os votos. Afinal muitos falaram que o problema de contagem na Flórida em 2000, foi que o campo era muito pequeno.

Se me canditasse a presidência dos USA ficaria confuso do eleitor dizer que não saberia preencher o voto por se muito pequeno, quando milhões jogam nas 52 semanas do ano em loteria, preenchendo um campo muito menor.

Se me canditasse a presidência dos USA ficaria confuso com o sistema de contagem de voto. Mas acho que isso não seria problema pois o país jogando como joga em loteria, consegue dar um resultado preciso em horas pagando milhões de dólares!

Se me canditasse a presidência dos USA ficaria confuso de ir para um debate, falar alguns dados econômicos ou sobre meu oponente, e depois saber que os dados estão errados!

Se me canditasse a presidência dos USA ficaria confuso de saber que essa mesma equipe que me forneceu os dados errados para o debate, poderá me acompanhar no governo e traçar o futuro de uma nação.

Se me canditasse a presidência dos USA ficaria confuso de ver o candidato oponente, me atacar mentindo e depois aparecer o porta-voz dele dizendo que ele não mentiu, apenas “jogou lama”.

Se me canditasse a presidência dos USA ficaria confuso de entender a diferença entre mentir descaradamente ou não falar a verdade.

Se me canditasse a presidência dos USA ficaria confuso de explicar ao meu filho Rick de quase 11 anos que é americano nato, porque os os candidatos falam tanto mal um do outro como ele me perguntou nessa semana e tive dificuldade de explicar.

Se me canditasse a presidência dos USA ficaria confuso de saber se o meu filho e os jovens desse país terão o mundialmente cobiçado American Dream.

Se me canditasse a presidência dos USA a cada decisão que tomasse, antes de mais nada, iria considerar os jovens que morrem na guerra, os que voltam mutilados, as viúvas e os órfãos cujo os maridos e pais morreram por esse grande país.

Se me canditasse a presidência dos USA ficaria preocupado se em anos iria destruir o que foi construido em 200 anos.

Se me canditasse a presidência dos USA ficaria preocupado de não montar uma equipe com profundo conhecimento de economia e de guerra ( deveriam estar escondidos em algums lugar!...), pois eles só apareceram depois dessa crise. Nunca vi tanto entendido....são tão entendidos que a divergência entre eles é brutal, ficaria também confuso.

Se me canditasse a presidência dos USA ficaria preocupado de me afastar do alto padrão religiosos que foi criado pelo Mayflower Compact (considerado o primeiro documento escrito pelos Pilgrims que atravessaram o Atlântico para praticar o Cristianismo com liberdade, estabelecendo o nome de DEUS, Seu padrão, Seu reino que fez desse país uma grande nação). E por decisões tomadas 3 ou 4 décadas atrás se afastaram desse acordo com DEUS conforme diz a história.

Se me candidatasse a presidência dos USA ficaria preocupado de ver o candidato oponente entre outros políticos só falarem dos sonhos dos nossos colonizadores (founding fathers) mas não nos compromissos e promessas que eles fizeram à DEUS para que os Estados Unidos fossem uma nação íntegra e próspera.

Se me candidatasse a presidência dos USA ficaria preocupado de não conseguir convencer os mais radicais que bem-aventurada é a nação cujo DEUS é o SENHOR (Salmos 33:12).

Se me candidatasse a presidência dos USA ficaria preocupado do Pledge of Allegiance que é um juramento de lealdade ao país que é feito de frente para a bandeira americana, não ter tanto efeito que nem tem para mim. Nesse juramento se fala one Nation under God, indivisible…uma Nação, sob DEUS e indivísivel...

Se me candidatasse a presidência dos USA ficaria preocupado se United We Stand (Juntos Estamos ) ou Divided We Stand (Divididos Estamos).

Se me candidatasse a presidência dos USA ia começar essa semana preocupado porque antes de ver um país unido, antes do resultado sair, já está dividido.

Se me candidatasse a presidência dos USA ficaria preocupado de saber se meu oponente fosse afro-descendente, e saber que muitos afro-descendentes, não acreditam que o país está preparado para um presidente afro-descendente! Mas quem sou eu de dizer que essa opinião é certa quando as “grandes empresas” de opinião pública estão aí?!

Se me candidatasse a presidência dos USA ficaria preocupado de saber que existe um minoria radical com um compromisso exemplar, a tal ponto de mudar os padrões morais da sociedade porque a maioria não quer sair da zona de conforto, às vezes até mesmo não votando contra essas mudanças!

Como não vou me candidatar, continuarei empresariando nesse maravilhoso país, nessa grande nação que ainda acredito poderosamente e escrevendo meus artigos sobre os Estados Unidos.

Continuarei determinado. Nesse país, continuarei a sonhar, e ninguém irá tirar de mim esse sonho e essa visão que DEUS colocou no meu coração.

E você leitor, que leu esse artigo até o fim, não fique triste com o resultado dessa eleição americana. Saiba que o melhor ainda está por vir. Repita comigo e se delicie na rima: não importa se Obama ou McCain... no ano que vêm, vou me dar bem!

God bless America!

Monday, November 2, 2009

Porque ser específico nos Estados Unidos?

Duas pessoas fazendo negócios, já não é muito fácil. Quando essas pessoas estão em países diferentes, culturas diferentes e muitas das vezes, até mesmo língua diferentes, o que já era difícil mais difícil fica.

Mas porque estamos falando isso? Existem estudos, que apontam que uma das razões que o brasileiro têm dificuldade de se expressar é a própria língua portuguesa. Falta objetividade. A língua portuguesa é muito vasta quando a inglesa não é.

A língua inglesa é mais direta, mais objetiva; inclusive o vocabuário inglês é menor. Vai direto no assunto. Just do it como diz o famoso slogan da Nike.

O famoso be specific, seja específico, é um must quando se negocia com qualquer fornecedor americano ou prestador de serviços nos Estados Unidos.

É impressionante os problemas que surgem no dia a dia, por que muitas das vezes, o importador brasileiro não sabe o que quer comprar, e resume a intenção de compra e não definição no etc, etc e etc.

E amigos, se fossemos relatar só nossas experiências aos longos desses quase 20 anos...com certeza você não teria “saco” de ler tudo e como também começaria a nos dar razão. Isso sem contar outras experiências de amigos nossos...

Nos desculpem aos que já estão milindrados de ler essa matéria, mas na América quanto mais específico você for, mais chances têm de acertar e se relacionar. Time is money!

Quando você contratar os serviços de uma trading company para o representar, dando assessoria nas compras ou qualquer outro tipo de serviços, entenda que caso essa trading, consultor e/ou empresário trabalhe nos padrões americanos, ele irá pedir a mesma coisa. Be specific!

Imagina que ligamos para você e pedimos para fazer um serviço de compras no Brasil. Pedimos para comprar os ítens A.B,C e D...acertamos um preço. Só que não descrevemos o etc, etc, e etc! Sendo você prático e objetivo, você nos pergunta o que é o etc? Nós te respondemos etc é etc...e continuamos sem definir o etc. Como você se sentiria? Confuso não?! Você arriscaria nos prestar serviços? Se sim, quanto cobraria?

Vamos ainda mais longe...o fato de você falar português nos Estados Unidos, não quer dizer que você está no Brasil. E isso amigo leitor, confunde demasiadamente a cabeça de qualquer brasileiro que quer fazer negócios com e/ou no mercado americano.

Não está fácil para ninguém. As pessoas estão cada vez mais sem tempo, paciência e cada vez mais sensíveis...e no que pudermos ajudar, mostrando a realidade dura e crua do que é fazer negócios nos States, iremos mostrar porque é o objetivo desse blog.

Fantasia nesse país? Você encontra nos parques da Disney...mesmo assim quando chegamos na bilheteria e dentro dos parques, o sonho acaba...e nós que viramos o Pateta, porque tudo é caro....mas fantasia é fantasia...e no fundo a maioria que ser enganada...que diga Hollywood.