Wednesday, March 30, 2016

Os 2R’s de 3 que o exportador brasileiro insiste em não aceitar para conquistar os Estados Unidos

 O dólar está alto. A economia brasileira estagnada, dando cada vez mais sinal que antes de melhorar ainda vai piorar. O que fazer? Pergunta você fabricante/empresário. A saída parece ser: exportação.

Mas aí você que é mais cuidadoso, pergunta: estou eu preparado? Se você diz que sim, siga em frente. Se você diz que não, o conflito começa.

Suponhamos que você seja um dos que se aventuram a vir para Miami. Se o termo “aventuram” feriu os brios, informamos que você não está preparado para o mercado americano. Porque na hora que você colocar seu produto ou serviço em teste, acredite que você vai escutar muita coisa que não quer, não acredita ou nunca pensou em escutar.  Qualquer um quer te falar ao contrário, abra os olhos!

Não importa quão famosa sua empresa, sua fábrica seja no Brasil. Aqui nos States, de uma maneira respeitosa, nunca foi, não é e para ser, é um longo caminho, muito tortuoso, demorado e caro. 

Mas e os 3R’s do título? Bem, existe uma sequência “oculta” e “rígida” aqui no mercado que pela quantidade de ofertas do mundo inteiro, sim, o mundo inteiro disputa um espaço físico no território americano, é muito seguida.

Primeiro você tem que criar a sua REPUTAÇÃO. Quem é você? De onde vêm e para onde vai? Quais as suas intenções? Há quanto tempo está nos States? É residente? Não é? Qual sua história? Enfim, dezenas de perguntas que criam a sua identidade: REPUTAÇÃO.

Da REPUTAÇÃO, com o tempo, vem o RELACIONAMENTO. A indústria, o mercado, as pessoas começam a te conhecer. Fica bem menos difícil você pegar um telefone ou visitar uma pessoa e ser bem recebido.

Uma vez que você desenvolve sua REPUTAÇÃO e RELACIONAMENTO, a RECEITA aparece. Mas caro leitor, chegar na RECEITA, é demorado e caro. Muito caro! Você está preparado para esse tipo de investimento?

O que temos experimentado através dos anos é que o exportador brasileiro quer ir direto no terceiro R que é a RECEITA.  Ou seja, o exportador brasileiro insiste em não aceitar os dois primeiros R's. querendo ir direto no terceiro. Dizer que quebram a cara, estamos sendo carinhosos. 

Com tudo que acontece no Brasil que reverbera aqui nos States, mais do que nunca, criar, desenvolver e manter uma boa ou excelente REPUTAÇÃO junto com uma rede de RELACIONAMENTO, são etapas fundamentais para o sucesso de qualquer exportador brasileiro. Você que está interessado no mercado americano já tinha pensado com essa ótica?