Tuesday, February 10, 2015

Você fala Inglês?

Você fala mesmo ou é na base do the book is on the table? You know what I mean...whatever!

Hoje no Brasil fala-se muito no mercado internacional. Na verdade, entendemos que depois da internet, estar no mercado internacional é uma obrigatoriedade. Seja para fazer negócios, seja para aprender alguma coisa na própria internet.

E como sabemos, apesar de todo avanço da economia chinesa, o inglês ainda é predominante e uma necessidade. Quem fala inglês fluente tem uma vantagem absurda nesse mundo corporativo que está cada vez mais competitivo. 


Em uma pesquisa recente datada de 2014 em proficiência em inglês entre 63 países, a América Latina ficou nas últimas colocações do ranking! Pasme você caro leitor que o Brasil ficou atrás dos “Hermanos” argentinos que ocuparam a décima-quinta posição e a República Dominicana ocupou a vigésima-terceira posição. E o Brasil? Ficamos felizes que você perguntou! O Braza ficou na trigésima-oitava posição!

O que aconteceu com esse avanço milagroso da economia nessa última década que colocou o Brasil na capa da revista The Economist? Porque o governo não investiu em educação? Com toda essa abertura de mercado com a influência das músicas, vídeos, filmes, enfim, o que aconteceu?

Aparentemente não aconteceu nada. Veja por exemplo, esse programa Ciência sem Fronteira. A idéia é excelente mas não está conseguindo passar as bolsas porque os alunos não sabem inglês suficiente para entrarem nas universidades americanas! Quem perde com isso? Todos nós. Perde o aluno. Perde uma geração. Perde um país chamado Brasil.

Aqui nos Estados Unidos é bem falado que um dos motivos que a China é o que é hoje, é porque o chinês fala inglês! Chega a ser um absurdo a quantidade de jovens chineses que vem para cá, estudam nas universidades e levam de volta a tecnologia, o know-how e conhecimento do American Way of Doing Business. Mas enquanto isso no Brasil...

Thursday, February 5, 2015

Esse blogger foi palestrante para a Escola Superior de Propaganda e Marketing em Miami

No dia 30 de janeiro, esse blogger teve a honra de como guest speaker dar uma palestra para os alunos a nível de MBA da ESPM – Escola de Propaganda e Marketing, que estavam fazendo curso extensivo na FIU – Florida International University – College of Business Administration. 

Na ocasião com quase 40 anos alunos presentes, esse blogger que é também fundador e presidente da U.S.-Brazil Chamber of Commerce, por um pouco mais de uma hora, respresentando a USBRCC falou da cultura de uma câmara de comércio nos Estados Unidos e que de um modo geral, o brasileiro não conhece e os que conhecem, não acreditam. Falou também das tendências, oportunidades, ameaças e dados do mercado do Brasil com a Flórida.

Aos que não sabem, o Brasil é o maior parceiro comercial da Flórida, cuja balança comercial até novembro de 2014 representou US$ 66.81 bilhões de dólares.

Tuesday, February 3, 2015

Conexão e Networking nos Estados Unidos valem muito dinheiro

Você que pensa em morar ou fazer negócios com os Estados Unidos, esteja preparado para pagar pelo valor das conexões e networking desenvolvido pelos profissionais que irão te assessorar. 

Contrário à cultura brasileira de pagar pela consultoria e networking, mais e mais os brasileiros estão enfrentando uma barreira em relação a esse tipo de comportamento totalmente contrário ao capitalismo.

O brasileiro vende um produto. O empresário americano, o consultor vende conexão, know-how e networking. Aí que o conflito acontece.

Como o valor do trabalho não é corporificado ou materializado, o brasileiro de um modo geral tem muita dificuldade de pagar por serviços, principalmente os que acabam de chegar tentando fugir ou não da alta do dólar.

Meu amigos leitores,  alguns mais ousados ou abusados dependendo de como você queira adjetivar, ainda perguntam: você sabe quanto você ganha no Brasil cobrando isso?

Confesso à você que não sei nem quero saber porque não estou no Brasil...mas como sabemos existem muitos insistentes que tem pena de pagar uma consultoria/assessoria séria mas não tem pena de ir ao shopping!

Mas por que estamos escrevendo isso? 

Se você pensa em vir para Miami, Orlando ou qualquer outra cidade da Flórida ou Estados Unidos, para empresariar, não deixe de assistir Shark Tank.

Aos que não conhecem a nomenclatura, é um “tanque de tubarão” que são os investidores onde a maior preocupação é ganhar dinheiro, não importa como.

No programa que foi lançado em agosto de 2009 e televisado pela CBBC que é um grande canal de negócios americano, o sucesso é absoluto. Nele os que possuem uma idéia, produto ou negócio mas que precisam de investidores, possuem no máximo 120 segundos para fazer a apresentação chamada sales pitch e tentar convencer uns dos tubarões a investir na oferta o seu próprio dinheiro, tempo, know-how e conexão!  

No programa você encontra o bilionário Mark Cuban dono do time de basquete Dallas Maverick que foi campeão do NBA em 2011. Também encontra o Daymond John que fundou e criou a famosa marca FUBU – For Us and By Us, fora outros investidores bem populares no território americano.

Você buscando no YouTube Shark Tank , com certeza entenderá bem mais como o americano compra e negocia. O que é número, estatística, formatação na apresentação, e melhor, quanto custa uma conexão e networking.

Os tubarões não cansam de falar sobre o valor das conexões. Os tubarões não cansam de enfatizar o que se economiza de milhares ou até mesmo milhões de dólares com as conexões certas, fora o tempo que se ganha.

Então, se você pensa em amanhã negociar com os States, pergunte à você quanto tempo você levaria para conhecer as pessoas chaves, quanto tempo você levaria para aprender e quanto você teria que investir? Não se assuste, o texto acima é apenas a essência pura do capitalismo.