Tuesday, November 24, 2015

Vereador do Condado de Miami-Dade dá palestra entusiasmada na Câmara de Comércio Estados Unidos –Brasil.

Como sempre acontece na terceira quarta-feira de todos os meses, já se tornando uma parada obrigatória para os que atuam no comércio internacional do Sul da Flórida, nessa última quarta-feira, Jose “Pepe”Diaz, vereador do Condado de Miami-Dade e Chairman do Consórcio de Negócios Internacionais do Condado, falou com bastante entusiasmos a uma seleta platéia, na U.S. Brazil Chamber of Commerce, onde como sempre estavam presentes oficias da Cidade do Doral dentre outros formadores de opiniões locais. 

O tópico principal foi o impacto do Brasil não só no Sul da Flórida ou no Estados da Flórida mas nos Estados Unidos como um todo. Como todos sabemos, temos que prestar atenção no Brasil.

Você leitor, que não esteve presente, poderíamos resumir o discurso em dois pontos principais. São palavras do palestrante, que carrega uma experiência de 25 anos no comércio internacional, vendendo Miami para o mundo.

Em resumo, tirando dados e valores, o que o Vereador disse foi o seguinte:

“ Se você busca o seu nicho, formata a sua empresa com espírito de excelência para o mercado de Miami, você não só está preparando sua empresa para o mercado americano mas como para o mundo. Aqui é uma vitrine mundial e as pessoas vem buscar idéias e negócios nessa cidade”.

E outro tópico de suma importância para os brasileiros que ainda não possuem a cultura de câmara de comércio.

“Para a maioria dos empresários, a distância mais curta entre eles e o governo, é uma câmara de comércio”.

Fica esses dois pensamentos para você que considera um dia fazer empresariar ou mudar para os Estados Unidos.

Thursday, November 12, 2015

Prof. Dr. Attila Andrade fala no programa de rádio U.S. Brazil Biz Talk

Ontem à noite a U.S. Brazil Biz Talk teve a honra de receber o advogado de direito internacional, professor universitário no Brasil e nos Estados Unidos, Phd na renomada Universidade de Yale, Prof.Dr. Attila Andrade Jr. 

Como convidado especial da noite falou de algumas oportunidades de negócios nos dois país, que como sabido, ainda é muito mal interpretado pelos pequenos e médios empresários.

Aqui nos Estados Unidos como mencionado na matéria anterior, é chamado FTZ –Foreign Trade Zone. Em Miami, no Estado da Flórida, o MFZ – Miami Free Zone localizado no Cidade do Doral, é o maior FTZ dos Estados Unidos. Operando desde 1979, MFZ atende importações de 65 países e exporta para mais de 80 países.

Do lado Brasil, Dr. Andrade falou das oportunidades do SUFRAMA. Nas duas pontas como mencionado, a assessoria jurídica é relevante para que o empresário venha desfrutar de todas as vantagens fiscais e tributárias que essas estruturas oferecem, tornando-se assim mais competitivo no mercado doméstico, até mesmo no local.

Para escutar o podcast do Dr. Attila, favor clicar no site do consagrado radialista Pete de La Torre http://www.petebizradio.com/usbrazilbiztalk.html e buscar a data 11/11/15.

Monday, November 9, 2015

As vantagens de utilização das FTZ do Sul da Flórida

Muitos empresários brasileiros em São Paulo e em outras cidades do país tem-me perguntado de que forma possam melhorar suas exportações para os EUA . Desde a década de 60, o Brasil adotou a regra “ Exportar é a Solução”. De fato assim é para muitos empresários, a questão é como fazer no que concerne aos demais países. Infelizmente, as economias ocidentais foram se “fechando” para se protegerem contra as exportações de países como o Brasil que tem-se valido de inexistencia de impostos na exportação e as vezes de diversos subsidios tributários como a isenção de IPI e de ICMS nas exportações. 

Todavia os EUA como uma economia forte , sempre moderna e sem medo da concorrencia internacional , ao contrário, continua sendo um mercado relativamente aberto e liberal. E mais ,tem criado soluções inteligentes que ao contrário inclusive tem favorecido a vinda de mais exportadores aos EUA. Uma dessas notáveis soluções são as “Foreign Trade Zones”- as FTZ que existem em quase todos os EUA. Aqui na Flórida, a mais conhecida e importante é a FTZ de Miami por suas inúmeras vantagens que serão apresentadas neste artigo.

O que são as FTZ ?  A rigor são armazéns alfandegados que constituem um ambiente especial de comércio internacional no território americano. Como funcionam ?

Primeiramente funcionam  como um armazém alfandegado especial. Assim neles é possível que os empresários brasileiros ( assim como os estrangeiros em geral) possam exportar seus produtos para os EUA sem impostos desde que permaneçam nos armazéns e não sejam vendidos ou “internados” em território americano. Assim funciona como se fossem um “dry port” ou seja um “porto seco”. Os produtos exportados do Brasil são mantidos no armazem e serao destinados a re-exportação para outros países. Enquanto mantidos no armazem alfandegado e desde que sejam re-exportados para outros países, não há imposto a pagar.   Super !

Todavia, os benefícios do FTZ não param aí !   Existem outros benefícios que serão aqui relatados. É sempre possível fazer-se das FTZ uma verdadeira zona também de complementação ou acabamento industrial, a exemplo do que ocorre na nossa Suframa em Manaus. Destarte, é legalmente possível desde que o projeto seja previamente aprovado de tal forma  que a empresa brasileira ( ou estrangeira) possa exportar insumos ou componentes e fazer o processo de industrialização dentro da zona. Nesse caso, os impostos são deferidos, adiados à etapa seguinte. Em outras palavras, os impostos de importação assim como o sales tax ( o imposto sobre vendas)  aqui da Flórida somente serão cobrados e pagos quando o produto final industrialmente acabado “sair” da zona, ou seja, for vendido ao mercado americano. Isto torna o processo de fabricação muito mais economico, porque o processo de tributação é adiado por ocasião do faturamento de venda. Destarte, através de um bom planejamento financeiro uma parte do pagamento da venda do pagamento servirá também como elemento de custeio para o pagamento dos impostos.  

Outro detalhe importante é o de que os impostos nos EUA ao contrário do Brasil são extremamente razoáveis. O imposto de importação normalmente varia entre 12% a 15% ad valorem e o imposto sobre vendas ( o sales tax) em torno de 7% sobre o valor do faturamento de venda do produto final acabado. Assim se permite que o industrial brasileiro possa conquistar o mercado americano de uma maneira mais eficiente e preparado para oferecer preços competitivos  ao grande mercado americano.

A próxima pergunta que o leitor possa fazer é: são quaisquer produtos que posso “trabalhar” na FTZ ?  E a resposta será pela negativa. Não é qualquer produto. Normalmente deva ser um produto cujo processo de industrialização seja “leve” e descomplicado . Normalmente produtos eletronicos , de montagem fácil que não requeiram processos complicados de usinagem e solda por exemplo são os ideiais para a FTZ.

Claro que quanto mais “light” for o processo de fabricação, melhor. Há empresas que tem seus projetos aprovados na FTZ simplesmente mediante processo de etiquetagem, rótulos em lingua inglesa , preparo dos manuais e finalmente o processo de embalagem ou empacotamento , tudo preparado ao gosto e de acordo com os requisitos legais dos EUA.

Produtos comestíveis são bem mais complicados porque além da aprovação do órgão administrador do FTZ ainda vai requerer aprovação e registro prévios do FDA e de outros órgãos locais (estaduais e municipais) encarregados da fiscalização sanitária neste país.

Enfim, as oportunidades são imensas para as indústrias brasileiras desde que seus projetos sejam previamente aprovados pelos órgãos competentes. Perguntar-se-á qual o tempo médio para tramitação e aprovação de um projeto industrial para o FTZ ?  Pela experiencia, estimamos um tempo médio mínimo de 4 meses desde o ingresso do projeto até a sua aprovação final.

Outras indagações relevantes ?  Não há requisito mínimo de certificado de origem. Não, isto vai depender da economicidade do projeto . Claro que quanto maior for a utilização de produtos ou componentes americanos , mais chances terão os projetos de serem aprovados pelos órgãos competentes.

O mesmo dir-se-á sobre o emprego de mão de obra. Nos EUA, já o sabemos ,a mão de obra é bem mais cara do que no Brasil . Ademais por lei, as empresas são também obrigadas a fornecer aos seus empregados, planos de saúde o que agrava ainda mais os custos da contratação de mão de obra. Destarte, para manter a viabilidade do custo de sua implantação, convem ao empresário brasileiro utilizar sempre processos intensivos de capital e não de trabalho. Ou seja, quanto mais automação o processo industrial requeira, quanto mais viável o projeto tornar-se-á financeiramente.


Estamos a disposição dos prezados leitores para outras indagações a respeito deste tema, devendo endereçá-las ao Prof. Dr. Attila Andrade Jr, advogado internacional website www.advatila.com.br attilaandradejr2013@gmail.com Skype: attila.andrade Bons negócios na FTZ de Miami!

Friday, November 6, 2015

Lennar Holmes fala no programa de rádio U.S. Brazil Biz Talk

Dando continuidade ao sucesso da semana passada, a Lennar Homes que é um dos maiores construtores de imóveis residenciais dos Estados Unidos e baseado aqui na cidade de Miami, na pessoa de Carla Corbo, que é a Diretora de Vendas Internacionais no Sul da Flórida, falou no programa US BRAZIL BIZ TALK, onde esse blogger é co-host com premiadíssimo radio personality Pete ed La Torre, sobre a história da empresa que foi fundada em 1954, e o sucesso da mesma junto ao público brasileiro seja em Orlando ou em Miami.

O esforço de marketing que fazem para atrair o comprador de imóvel brasileiro seja o investidor ou futuro morador, é imenso.  Com viagens frequentes, alianças operacionais, pesquisa de mercado para saber o que o Brasil quer, sonha e está disposto a pagar, é uma realidade dentro da empresa.

Para maiores informações sobre essas ofertas de imóveis e condições de financiamento e pagamento, não deixe de visitar em português www.lennar.com/brasil