Thursday, November 22, 2012

É Black Friday nos Estados Unidos. Você vai fazer compra no BestBuy? Macy’s? WalMart? Você está preparado?

Como se diz no bom inglês, it is insane!

Apesar da economia americana está delicada, a população americana já começou a se preprarar para desfrutrar das famosas promoções de Black Friday.

Nas tradicionais lojas, acampar do lado de fora, leia de novo, acampar do lado de fora começa a ser tornar também uma tradição ou característica dos mais animados no maior feriadão dos Estados Unidos.

Ficamos nos perguntando se esses que acampam é para entrar primeiro nas lojas ou para dar entrevistas nas televisões locais e nacionais, como os da foto que começaram acampar ontem aqui no Doral na loja do Best Buy.  A Best Buy daqui de Miami ficarão abertas 25 horas!

As lojas tradicionais como Macy’s, WalMart, Target, JC Penney e quase todos os shoppings e principalmente as lojas de eletrônicos como a Best Buy são as mais procuradas e experimentarão uns consumidores bem afoitos como sempre aparece na imprensa.

Uma maratona comercial que parece que tem sido esticada a cada ano para tomar o suado e sofrido dólar do americano, seja esse dólar trabalhado ou do cartão de crédito, que depois segundo pesquisas a maioria não tem como pagar e o show continua, porque isso aqui é América.

O comércio on line também não é diferente. Hoje com certeza vários websites devem crash causando uma grande frustação no internauta. E a antecipação on line está cada vez maior. No passado o Black Friday começava às 10 da noite, hoje já existe às 9 da noite e pelo jeito qualquer dia será na hora do almoço de quinta-feira, e viva a concorrência predadora americana.

Opa, mas não é sexta-feira que as grandes liquidações começam nos Estados Unidos?

Sim e não. Sim no calendário oficial que o país tenta a seguir há anos. Não porque a crise e a internet mudaram e estão mudando tudo. A crise fez com que grande lojas formadoras de opinião antecipassem o horário. A internet fez com que os internautas fossem para os computadores e não para as lojas.

A Associação Americana de Eletrônico (Consumer Electronics Association) diz que, assim como no ano passado, os americanos deverão gastar quase os mesmos US$ 250.00 por pessoa em produtos eletrônicos nesse final de ano.

O cenário financeiro do consumidor acreditamos ser pior do que do ano passado. Como o crédito está apertado, os cartões de créditos já estão de olho na inadiplência, os lojistas esperam que antecipando os horários de compra, você com o seu dinheiro, com a sua farinha, gaste no pirão dele que é a loja. Farinha pouca, meu pirão primeiro! Entendeu?

Se você acha que não é assim, já tem muito lojista querendo abrir o Black Friday na quinta-feira. Ou seja, querem lançar o Black Thursday! Pelo visto, ficará black (positivo) para o lojista e red (negativo) para o consumidor.

Friday, November 16, 2012

BMA - Brazilian Marketing Annex tem “full house” …mais uma vez!

Nesse último dia 14 de novembro, o café-da-manhã do BMA- Brazilian Marketing Annex na cidade do Doral, esteve super concorrido. Na ocasião, vários empresários locais e candidatos a cargo politicos da cidade do Doral que já foram para o segundo turno que acontece dia 27.

O palestrante da vez, foi o brasileiro Dr. Raul Reis, Phd que é Diretor de Jornalismo e Comunicação em Massa da FIU – Florida International University aqui em Miami.

O tema da palestra foi sobre “Oportunidades, Investimentos e a Revolução do Social Media no Brasil”. Com uma postura impecável e um profundo conhecimento do assunto e do mercado brasileiro, Dr. Reis mostrou e provou com dados que o Brasil avançou de maneira acelerada na onda do Social Media.

Como contra fatos e dados não existe contestação, Dr. Raul nos mostrou o posicionamento e arriscou um futuro palpite do Facebook, Twitter dentre outras ferraments utilizadas no mercado no Brasil. O entusiamo do público e a interação com o palestrante foram tanta, que tivemos que avançar no horário e infelizmente várias perguntas não puderam ser respondida no evento.

O evento foi patrocinado pelo Courtyard by Marriott, que gentilmente cedeu uma bela sala para apresentação junto com o delicioso café-da-manhã.

O BMA – Brazilian Marketing Annex que é um “anexo” do DCC – Doral Chamber of Commerce, está escrevendo seu nome no cenário de comércio internacional principalmente junto as Câmaras de Comércio e para todo aquele que pensa em fazer negócios com a comunidade brasileira no Sul da Flórida ou com o Brasil.

Thursday, November 8, 2012

O presidente dos Estados Unidos e o Pequeno Príncipe

Depois de mêses de acirrada disputa entre o candidato republicano Mitt Romney e o já presidente e candidato democrata Barack Obama, os Estados Unidos reelegeu esse último para mais quatro anos de governo.

Cada um se dirigiu à zona eleitoral com seus motivos próprios e até mesmo sonhos, alguns enfrentando neve e até mesmo horas na fila como aconteceu aqui na cidade de Miami.

Seja lá em quem o eleitor americano votou, assim como no best-seller O Pequeno Princípe do escritor Antoine de Saint-Exupéry, a famosa frase prevalece:

“Você se torna eternamente responsável por aquilo que cativa”.

Esse mesmo texto também não se aplicaria quando o povo brasileiro vota no Brasil?

Monday, November 5, 2012

Se me canditasse à presidência dos Estados Unidos

Há quatro anos atrás mais ou menos nessa data, esse blogger, sentado na sua sala residencial  acompanhando as eleições americanas junto com seu filho que é americano nato e que na época tinha 10 anos, se deparou com uma pergunta difícil de responder quando seu filho perguntou: “Pai, porque a Hillary Clinton está mentindo se dias atrás ele falava muito mal do Obama?”.

É sabido que escrever precisa de inspiração; e confesso que na hora assim como uma letra de música, essa matéria veio inteira na minha cabeça. Publiquei a mesma na época e deu uma certa repercussão no Brasil. Curioso que passado quatro anos, não houve mudanças.

Veja na íntegra matéria publicada.

Com certeza você leitor, imaginou que pelo título do artigo, iria descrever um plano de governo...mas não é o caso.

Se me canditasse à presidência dos USA com certeza estaria preocupado com o legado que poderia deixar para as gerações por vir. Como a história iria falar de mim?...

Se me canditasse à presidência dos USA estaria muito confuso de confiar nas “grandes” empresas de opinião pública, uma vez que a disparidade percentual, é tremenda. Qual a empresa está certa, se todas elas se apresentam como as mais confiáveis?

Se me canditasse à presidência dos USA ficaria confuso, se o eleitor saberia preencher bem os votos. Afinal muitos falaram que o problema de contagem na Flórida em 2000, foi que o campo era muito pequeno.

Se me canditasse à presidência dos USA ficaria confuso do eleitor dizer que não saberia preencher o voto por se muito pequeno, quando milhões jogam nas 52 semanas do ano em loteria, preenchendo um campo muito menor.

Se me canditasse à presidência dos USA ficaria confuso com o sistema de contagem de voto. Mas acho que isso não seria problema pois o país jogando como joga em loteria, consegue dar um resultado preciso em horas pagando milhões de dólares!

Se me canditasse à presidência dos USA ficaria confuso de ir para um debate, falar alguns dados econômicos ou sobre meu oponente, e depois saber que os dados estão errados!

Se me canditasse à presidência dos USA ficaria confuso de saber que essa mesma equipe que me forneceu os dados errados para o debate, poderá me acompanhar no governo e traçar o futuro de uma nação.

Se me canditasse à presidência dos USA ficaria confuso de ver o candidato oponente, me atacar mentindo e depois aparecer o porta-voz dele dizendo que ele não mentiu, apenas “jogou lama”.

Se me canditasse à presidência dos USA ficaria confuso de entender a diferença entre mentir descaradamente ou não falar a verdade.

Se me canditasse à presidência dos USA ficaria confuso de explicar ao meu filho Rick de quase 11 anos (hoje 14) que é americano nato, porque os os candidatos falam tanto mal um do outro como ele me perguntou nessa semana e tive dificuldade de explicar.

Se me canditasse à presidência dos USA ficaria confuso de saber se o meu filho e os jovens desse país terão o mundialmente cobiçado American Dream.

Se me canditasse à presidência dos USA a cada decisão que tomasse, antes de mais nada, iria considerar os jovens que morrem na guerra, os que voltam mutilados, as viúvas e os órfãos cujo os maridos e pais morreram por esse grande país.

Se me canditasse à presidência dos USA ficaria preocupado se em anos iria destruir o que foi construido em 200 anos.

Se me canditasse à presidência dos USA ficaria preocupado de não montar uma equipe com profundo conhecimento de economia e de guerra ( deveriam estar escondidos em algums lugar!...), pois eles só apareceram depois dessa crise. Nunca vi tanto entendido....são tão entendidos que a divergência entre eles é brutal, ficaria também confuso.

Se me canditasse à presidência dos USA ficaria preocupado de me afastar do alto padrão religiosos que foi criado pelo Mayflower Compact (considerado o primeiro documento escrito pelos Pilgrims que atravessaram o Atlântico para praticar o Cristianismo com liberdade, estabelecendo o nome de DEUS, Seu padrão, Seu reino que fez desse país uma grande nação). E por decisões tomadas 3 ou 4 décadas atrás se afastaram desse acordo com DEUS conforme diz a história.

Se me candidatasse à presidência dos USA ficaria preocupado de ver o candidato oponente entre outros políticos só falarem dos sonhos dos nossos colonizadores (founding fathers) mas não nos compromissos e promessas que eles fizeram à DEUS para que os Estados Unidos fossem uma nação íntegra e próspera.

Se me candidatasse à presidência dos USA ficaria preocupado de não conseguir convencer os mais radicais que bem-aventurada é a nação cujo DEUS é o SENHOR (Salmos 33:12).

Se me candidatasse à presidência dos USA ficaria preocupado do Pledge of Allegiance  que é um juramento de lealdade ao país que é feito de frente para a bandeira americana, não ter tanto efeito que nem tem para mim. Nesse juramento se fala one Nation under God, indivisible…uma Nação, sob DEUS e indivísivel...

Se me candidatasse à presidência dos USA ficaria preocupado se United We Stand (Juntos Estamos ) ou Divided We Stand (Divididos Estamos).

Se me candidatasse à presidência dos USA ia começar essa semana preocupado porque antes de ver um país unido, antes do resultado sair, já está dividido.

Se me candidatasse à presidência dos USA ficaria preocupado de saber se meu oponente fosse afro-descendente, e saber que muitos afro-descendentes, não acreditam que o país está preparado para um presidente afro-descendente! Mas quem sou eu de dizer que essa opinião é certa quando as “grandes empresas” de opinião pública estão aí?!

Se me candidatasse à presidência dos USA ficaria preocupado de saber que existe um minoria radical com um compromisso exemplar, a tal ponto de mudar os padrões morais da sociedade porque a maioria não quer sair da zona de conforto, às vezes até mesmo não votando contra essas mudanças!

Como não vou me candidatar, continuarei empresariando nesse maravilhoso país, nessa grande nação que ainda acredito poderosamente e escrevendo meus artigos sobre os Estados Unidos.

Continuarei determinado. Continuarei a sonhar, e ninguém irá tirar de mim esse sonho e essa visão que DEUS colocou no meu coração.

E você leitor, que leu esse artigo até o fim, não fique triste com o resultado dessa eleição americana mesmo sabendo que o presidente americano é eleito ou até mesmo "selecionado" pelo colégio eleitoral e não pelo voto popular. Saiba que o melhor ainda está por vir. 

Concluindo, se o Presidente Barack Obama do partido democrata será reeleito ou o Governador Mitt Romney do partido republicano será o novo presidente, uma coisa é certa como a bíbia nos ensina e garante em Provérbios 14:34 - A justiça exalta as nações, mas o pecado é o opróbrio dos povos.

God bless America!